Fernando Pessoa - poemas
www.mDaedalus.com
poemas
de
Pessoa
A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
 
Fernando Pessoa
(Álvaro de Campos)
Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima, 

 
Vai pelo cais fora um bulício de chegada próxima, 
Começam chegando os primitivos da espera, 
Já ao longe o paquete de África se avoluma e esclarece. 
Vim aqui para não esperar ninguém, 
Para ver os outros esperar, 
Para ser os outros todos a esperar, 
Para ser a esperança de todos os outros. 
Trago um grande cansaço de ser tanta coisa. 
Chegam os retardatários do princípio, 
E de repente impaciento-me de esperar, de existir, de ser. 
Vou-me embora brusco e notável ao porteiro que me fita muito mas
ràpidamente. 
Regresso à cidade como à liberdade. 
Vale a pena sentir para ao menos deixar de sentir. 



 
  • Vão breves passando, Poesias Inéditas
  • Vão vagos pela estrada, Cancioneiro
  • Vê-la faz pena de 'sperança, Poesias Inéditas
  • Velo, na noite em mim, Poesias Inéditas 
  • Vem do fundo do campo, da hora, Poesias Inéditas 
  • Vem dos lados da montanha, Poesias Inéditas
  • Vem, Noite, antiquíssima e idêntica, Álvaro de Campos
  • Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio, Ricardo Reis
  • Vendaval,- Poesias Inéditas 
  •  

    Google
     
    Web mdaedalus.com
    página de Pessoa
    página principal
    com o apoio de:
    www.travel-images.com
    Fernando Pessoa - poemas
    www.mDaedalus.com